Qual é a origem da palavra “papa”?

PapsQuando se visita as Catacumbas de São Calisto, o guia turístico informa que lá se encontra o primeiro testemunho arqueológico do uso da palavra “papa”, que seria o pintoresco acrônimo da frase “do apóstolo Pedro tomou o poder” (“Petri Apostoli Potestatem Accipiens”).

Certamente, esta interpretação está longe de ser correta, assim como a interpretação do jogo de palavras “Pater Patrum” (“padre dos padres”), que seria uma descrição e releitura posterior do ofício papal.

Do ponto de vista histórico-etimológico, o termo “papa”, no entanto, não é um acrônimo, mas uma palavra de origem grega, que significa “pai”, “papai”, em sentido familiar e carinhoso. É o termo usado nos primeiros séculos do cristianismo para dirigir-se ao clero, sobretudo aos bispos. Foi a partir dos século IX-X que se tornou exclusiva do Bispo de Roma: de “pai” em sentido específico a “pai” de Roma.

Nas Catacumbas de São Calisto está o testemunho mais antigo em Roma do uso da palavra “papa” referida ao Bispo de Roma. O diácono Severo declara haver recebido a ordem do bispo romano Marcelino (296-304) de construir um nicho sepulcral familiar dentro de tais catacumbas: “iussu pp. sui Marcellini diaconus iste Severus fecit…” (cfr. Testini, Archeologia cristiana, Bari 1980, p.384). Resumindo: é a história de um termo genérico que, com o passar do tempo, assume um significado cada vez mais específico, até tornar-se exclusivo.

O documento “Dictatus Papae”, nascido no ambiente gregoriano durante a luta das investiduras, os termos “sumo pontífice” e “papa” são usados como sinônimos. Desde cerca de dez séculos antes, a palavra “papa” indicava apenas o Bispo de Roma.

Apesar de existirem vários títulos do papa (Sumo Pontífice, Bispo de Roma, sucessor de Pedro, Patriarca do Ocidente (este último deixado de usar por Bento XVI), Primaz da Itália etc.), o teologicamente mais verdadeiro e do qual derivam todos os outros é “Bispo de Roma” e, portanto, herdeiro e sucessor de Pedro e cabeça do colégio apostólico.

Dois textos, um da antiguidade e outro dos nossos dias, falam da importância do título romano:

“Dado que seria demasiado longo enumerar as sucessões de todas as Igrejas, tomaremos a máxima igreja, muito antiga e conhecida de todos, fundada e construída em Roma pelos dois gloriosíssimos apóstolos Pedro e Paulo; mostraremos que a tradição que ela tem, dos mesmos, e a fé que anunciou aos homens, chegaram até nós por sucessões de bispos… Porque, é com esta Igreja (de Roma), em razão de sua mais poderosa autoridade de fundação, que deve necessariamente concordar toda a Igreja… na qual sempre se conservou a tradição que vem dos Apóstolos” (cf. S. Irineo, Contra as heresias).

“Na comunhão eclesial existem legitimamente igrejas particulares com tradições próprias, sem detrimento do primado da cátedra de Pedro, que preside à universal assembleia da caridade, protege as legítimas diversidades e vigia para que as particularidades ajudem a unidade e de forma alguma a prejudiquem” (Lumen Gentium, 13).

Escrito por Pe. Giovanni Roncari, professor de história da Igreja

Paz amados irmãos(ãs)

Claudinei

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s